domingo, 30 de abril de 2017

Criação literária para alunos da periferia

“Dedo de Verso” oferece prática de criação literária para 120 alunos da periferia de Uberlândia

crédito: Douglas Luzz
Atividades, que apontam para transversalidade artística, promovendo diálogos com as linguagens teatral e musical, resultarão em cinco saraus abertos à comunidade.

O projeto Dedo de Verso está possibilitando gratuitamente oportunidade ímpar para 120 crianças e adolescentes da periferia de Uberlândia, uma vez que vai além do ensino de Literatura oferecido na Educação Formal. 

De acordo com o realizador do Projeto, o músico e compositor, Enzo Banzo, as atividades são voltadas para a Criação Literária, e não somente para o estudo das obras da historiografia literária (que podem ser usadas como referência). “Dedo de Verso aborda a performance literária, na qual o poema ganha voz e vida, ao não se reduzir ao espaço do papel. Na perspectiva da palavra falada ou cantada, o projeto aponta para a transversalidade artística, promovendo diálogos com as linguagens teatral e musical”, explica Banzo, que tem extensa e reconhecida participação na cena cultural uberlandense.

Assim, constituído por um processo de formação em criação e performance literária, Dedo de Verso irá resultar em cinco saraus que serão apresentados ao público na sede do Programa Transforma no bairro Alvorada - onde as oficinas semanais e gratuitas do Projeto acontecem; em um teatro da cidade; e também em escolas públicas. 

Entre as atividades do Projeto, estão previstos 32 workshops com escritores, cantores e professores da área sobre: técnicas de criação literária, criação de letra sobre melodia e perfomance literária. 

Os participantes do Projeto já vivenciaram os primeiros workshops de criação literária com a escritora, Cleusa Bernardes, e em Maio terão workshops com o próprio idealizador do Projeto, Enzo Banzo.

Dedo de Verso é um projeto realizado em parceria com Programa Transforma e patrocinado pelo Instituto Algar.

Sobre Enzo Banzo

Compositor com mais de 20 canções gravadas por Porcas Borboletas, Daniela Borela, Quarteto Vagamundo e EMCANTAR, é integrante da banda Porcas Borboletas desde 1999, com a qual circulou por todo território nacional e exterior, e gravou os CDs "Porcas Borboletas", "A passeio" e "Um Carinho com os Dentes”. Foi assessor de Articulação Cultural da Secretaria Municipal de Cultura de Uberlândia entre 2014 e 2016, e também Arte-Educador, Músico e diretor musical no Grupo Emcantar por mais de 10 anos. É ainda autor do livro "Poesia Colírica”.

Sobre Cleusa Bernardes

Professora de Ensino Fundamental e Ensino Médio pelo Estado de Minas Gerais, publicou o livro “Djanira na Janela e outros poemas”, e compôs letras para canções em parceria com Enzo Banzo e Daniela Borela, gravadas nos discos Daniela Borela (2011), Mutirão, do Grupo Emcantar (2003) e Emcantar (1999). Foi coordenadora artística do Projeto "Flor de Chita, memórias, vivências, bordados", e ministrou oficinas de Criação Literária nos Projetos “Ideias Incontidas” e “Tecnologia Escutatória”.

Sobre Instituto Algar

Por acreditar que a educação é o caminho que vai levar o Brasil a uma realidade melhor, o Grupo Algar investe, desde 1994, em programas sociais voltados à comunidade. A ideia é contribuir com a melhoria da qualidade da educação brasileira. Ao longo dos anos, estes programas cresceram e, em 2002, passaram a ter a gestão do Instituto Algar e uma atuação em três dimensões: social, ambiental e cultural. Os programas sociais chegam a 25 cidades, 102 escolas parceiras, 8.020 mil alunos beneficiados, 225 educadores envolvidos e a participação voluntária de 1.150 associados da Algar.

Michele Borges | Ciclo