sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Usuários da Rede Municipal de Saúde contam com assistência farmacêutica

Em 2005, no início do atual governo municipal, a Rede Municipal de Saúde contava com 9 farmácias e 13 profissionais trabalhando nas unidades. Hoje são 22 farmácias e 34 farmacêuticos.  O medicamento é prescrito após o usuário passar por consulta médica e retirada do remédio e pode ser feito no mesmo local onde foi atendido. Tudo gratuitamente.

Além de funcionar nas Unidades de Atendimento Integrado (UAIs), as farmácias atendem em algumas Unidades de Atenção Primária à Saúde (UAPS), Unidades de Atenção Primária à Saúde da Família (UAPSF), Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) Norte, Leste, Oeste e AD e ainda no Ambulatório Municipal Herbert de Souza DST/AIDS. Há unidades onde o funcionamento é feito inclusive no Horário do Trabalhador, no período noturno das 19h às 22h, e aos finais de semana e feriados.

Com o crescimento da assistência farmacêutica prestada pela Rede Municipal de Saúde, o número de atendimentos também aumentou ao longo dos anos. Em 2006, por exemplo, as farmácias fizeram em torno de 660 mil atendimentos, enquanto que em 2011 foram mais de 1.200 milhões de atendimentos. As apresentações farmacêuticas, que são as formas como os medicamentos se apresentam - comprimidos, cápsulas, injetáveis, etc – também tiveram aumento ao longo dos anos. Antes, os usuários contavam com 70 tipos de apresentações farmacêuticas e hoje são mais de 200.

Para quem não tem condições de ir até uma das farmácias da Rede Municipal de Saúde, a Prefeitura oferece assistência pelo Remédio em Casa. O programa beneficia atualmente mais de 11 mil pessoas com dificuldade de locomoção ou acamadas. Para ser beneficiado, o paciente deve realizar ou atualizar o cadastro na rede municipal e no Programa de Hipertensão de Diabetes.

O Hospital e Maternidade Municipal Dr. Odelmo Leão Carneiro também conta com uma farmácia. O setor é um modelo de gestão e produção de medicamentos, onde os remédios são manipulados no próprio local, na quantidade exata para cada paciente, o que evita o desperdício e os riscos para a saúde em relação à dosagem. O trabalho é feito em parceria com as unidades instaladas nas UAIs. Quando um paciente é transferido de uma das unidades para o complexo hospitalar, a equipe de farmacêuticos levanta o histórico do paciente e delibera com o corpo clínico para que sejam prescritos todos os medicamentos de uso contínuo, o que proporciona mais segurança no atendimento.

via Secom PMU
--
FarolCom | Coletivo de Imprensa
INFORMAÇÃO | CULTURA | SERVIÇO