terça-feira, 15 de setembro de 2009

Cigarro é um vilão também para a visão: fumantes ativos e passivos correm o mesmo risco

Oftalmologista alerta sobre benefícios do diagnóstico precoce 

O médico Dráuzio Varella escreveu no artigo "O fumo em lugares fechados" a seguinte afirmação: "As evidências científicas de que o fumante passivo também fuma são tantas e tão contundentes que os defensores do direito de encher de fumaça bares, restaurantes e demais espaços públicos só podem fazê-lo por duas razões: ignorância ou interesse financeiro. (...) Num país de baixos níveis de escolaridade como o nosso, nem todos têm acesso a conhecimentos básicos. A fumaça expelida dos pulmões fumantes contém, em média, um sétimo das substâncias voláteis e particuladas do total inalado. Já aquela liberada a partir da ponta acesa contém substâncias tóxicas em concentrações bem maiores: três vezes mais nicotina, três a oito vezes mais monóxido de carbono, 47 vezes mais amônia, quatro vezes mais benzopireno e 52 vezes mais DNPB (estes dois, cancerígenos potentes). Por serem de tamanho menor, as partículas que se desprendem da ponta acesa, produzidas durante 96% do tempo em que um cigarro é consumido, penetram com mais facilidade nos alvéolos pulmonares".

Tais afirmações são muito mais sérias do que se imagina, pois o cigarro não atinge somente os pulmões. Inúmeros estudos ligam o aparecimento do envelhecimento precoce do cristalino (catarata) ao vício de fumar. Outros estudos indicam diminuição do risco de catarata em ex-fumantes se comparado com fumantes em atividade.

Segundo o oftalmologista do HCO – Centro Completo de Oftalmologia, José Marcos Gonçalves, o fumante ativo pode antecipar patologias oculares e colocar a vida de outras pessoas em risco. "Os fumantes aumentam consideravelmente as chances de desenvolver cataratas, além de adquirir mais cedo à degeneração macular, doença relacionada com a idade e ainda queda de pálpebras", explica o oftalmologista.

De acordo com um estudo realizado pelo Healthy Sight Institute, com a iniciativa de uma empresa brasileira especializada em lentes fotossensíveis e também com recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), fumar pode causar danos oculares devido a combinação de efeitos oxidativos, neurovascularização, trombose e inflamações.

"O cigarro potencializa as complicações de algumas doenças como a retinopatia diabética e a degeneração macular relacionada a idade. Devemos ficar atentos, pois culturalmente a tendência das pessoas é buscar auxílio médico quando algo aparente é percebido. A saúde ocular fica, assim, em segundo plano, pois os males do cigarro são gradativos", alerta o oftalmologista do HCO – Centro Completo de Oftalmologia, José Marcos Gonçalves.

Fernanda Beraldo / Serifa Comunicação

--
farolcomunitario | rede web de informação e cultura